Blá-Blá-Blá Eu Te Amo !! (???)

A vida é cheia de blá-blá-blá mesmo. Se as pessoas se contivessem a dizer o estritamente necessário talvez houvessem menos confusões por aí. E menos dores e decepções também. Ou seja, falamos demais e dizemos de menos. Essa é a história da humanidade e não precisamos ir longe, basta lermos jornais, revistas e livros que pretendem ser sérios (hahahahaha).

Mas o motivo do bl-á-blá-blá é o Pp. Eu sarei (rápida não é?). Mas o remédio eu citarei em outro tópico, porque este dará uma “caldeirada”. O motivo deste é mesmo Pp. Fiquei ausente da net, voltei a falar com ele aos poucos, ainda em processo de “cura”, mas tenho mantido-me realmente afastada das conexões virtuais por onde ele anda. Então estamos nos falando bem menos. Quase nada em vista de antes. E ele está sentindo falta. E eu estou rachando de rir. E ele pediu-me ajuda com o presente da namorada, eu ajudei, sem dores, numa boa mesmo. E ele continua dizendo que me adora e que eu sou o “amore” dele e blá-blá-blá. E no meio de tanto blá-blá-blá ele já disse, algumas vezes, que quer continuar encontrando-me, pelo menos uma vez por semana, que agora o “jogo está empatado”, já que eu tenho um marido, ele tem uma namorada (inocente esse moço). E que eu não devo sair com nenhum outro porque ele tem ciúmes (hahahahahahaha me faz rir!!). E novamente foi um monte de blá-blá-blá e eu fico pensando “ok, eu sou tudo isso sim, sou ótima nisso, naquilo e naquele outro também mas, sinceramente, não estou afim.” No entanto estou levando-o em banho-maria por uns dias, até o meu “remédio” fazer total efeito.

Acho tudo isso muito típico. O cara termina mas quer continuar pegando. Eu até não me importaria tanto com isso, afinal eu tenho meus perrengues e meus impedimentos mas acho isso tão estranho e ridículo que fico completamente desmotivada. Agora só falta eu falar “Não. Não te quero mais, estou em outra situação” e ele retrucar “Blá-blá-blá eu te amo!”.

Anúncios

Era Vidro e Se Quebrou

Estou há dias afastada da internet e de todo o mundinho virtual. Veio bem a calhar a minha impossibilidade de estar na rede com a necessidade de não estar. Meu quase romance com Pp estava indo bem, ao menos para mim, dentro das minhas possibilidades. Ele já havia comentado que queria uma namorada, alguém que pudesse estar disponível nos horários dele. Então ele começou a trabalhar em outro local, conheceu alguém e já era eu e ele. Fiquei mal, eu gostava demais da companhia dele, das nossas risadas e idiotices, entre outras coisas.

Mas a vida é assim. Mutante. Então esses dias em que me encontro distante do virtual possui também um esforço pessoal para não estar na rede, assim evito vê-lo por aqui. Eu não quero saber como ele está, o que está acontecendo na vida dele e nem quero saber se ele está feliz ou não. Também não quero que ele saiba de mim e quero perder a necessidade de falar com ele, como fizemos nos últimos três meses, falando-nos diariamente pela rede por horas e horas. Quero que ele morra para meus sentimentos, que volte a ser o que era há três meses atrás: nada.

Mas também é inevitável não espiar a nova vida dele, e dessa forma acabei entrando em sua página, vi um recado daquela que imagino ser a minha algoz e passei mal pra Cacilda. Minha pressão caiu bruscamente e eu tive que sair do computador e ir deitar-me. Hoje já é o dia seguinte e não estou totalmente recuperada do choque. Por outro lado usei minhas pequenas doses de sarcasmo e veneno para escrever diletos poemas e assim acabei divertindo-me um pouco.

Onde me encontro hoje não é um bom lugar, fisicamente falando, emocionalmente falando, e isso nada tem a ver com o Pp e os acontecimentos da semana. Aqui é um fim-de-mundo e apenas encontro, em cada esquina, problemas. Eu deveria ajudar essas pessoas, elas são caras para mim, mas não sei se conseguirei. Estou aqui para tentar isso. Mas não deixo de pensar em Pp e de sentir sua falta. Queria muito voltar ao meu lugar e encontrá-lo esperando por mim, e isso não acontecerá. Estou um tanto desolada por essas coisas todas e preciso transformar isso em combustível para seguir em frente com meus planos.

É isso. Registrando esse momento chato e colocando um ponto final na historinha Ali + Pp.

31/mai/09