Retomando

A coisa andou complicada até esses dias. Eram tantos compromissos, tanta gente pedindo um pedaço de mim que quase enlouqueço. Sério. Crises familiares intermináveis. Gente indecisa até a tampa. E eu no meio, claro. Quem mais poderia ser, além de minha pessoa, com essa cara de paisagem, com a santa paciência para ouvir os choramingos e com palavras tranquilizadoras?

Muitas vezes, por dentro, eu estava num turbilhão; no entanto, para não piorar as situações já formadas, mantive toda a calma e tranquilidade possível. Às vezes quem passa por uma crise não precisa de mais uma pessoa se desesperando ao lado, mas de alguém que diga que as coisas vão dar certo, alguém que consiga ver algo positivo ou que consiga avistar melhoras no futuro. Vai ver eu sou essa pessoa.

E por isso mesmo eu não tenho em ninguém esse porto seguro. Eu, quando estou para desmontar e estou em desespero absoluto não consigo olhar em volta e encontrar alguém que simplesmente me abrace e diga “calma, as coisas vão se ajeitar, vai tudo ficar bem”. Às vezes eu quero somente o abraço, nem preciso das palavras, mas onde encontrar???

Enfim, sumi por causa destas coisas, que tomaram meu tempo quase completamente. E quando não tomou o tempo real, o que sobrou foi cansaço de tudo e apenas o desejo de deitar e apagar, ou de sumir por uns tempos.  Mas aqui estou. Aos poucos atualizarei umas coisas, terminarei de contar outras.

Por hoje, o que posso dizer é que nada deu certo com o Blue. Foi bem legal o clima e foi um período interessante aquele da paquerinha, mas ficou nisso. Ele acabou terminando suas tarefas por aqui e eu apaguei seus telefones do meu celular. Outro dia, andando no shopping, quase trombo com ele. Disfarcei, mudei o rumo, ele me viu, dei um “xauzinho” de longe e segui meu rumo. Estranho né? Um dia a gente se amassa e no outro nem quero conversar… Ser humano é mesmo um bicho esquisito.

Vira e Mexe

Eu não me aquieto mesmo. Eu até aquietaria se encontrasse alguém capaz de manter-me entretida. Mas tá difícil isso. Continuo encontrando-me com Peixe, mas a coisa é tão ocasional (e a culpa não é exclusiva dele) que desanima-me. Quando eu posso, ele está enrolado no trabalho ou viajando. Quando ele me liga com tempo livre eu estou enrolada e sem tempo.

Outro dia estava conversando com o Lauro, via msn, e comentei com ele que eu precisava arrumar um “amante fixo”, porque estou cansada dessa busca. E quem é Lauro, afinal? Lauro é um amigo colorido e atualmente estamos “dando um tempo” porque ele foi morar em outro Estado, e isso inviabilizou nossos encontros. Ele é do meio swing, já tentou levar-me (e eu sempre escorrego, minha situação não permite tanta exposição), ele é lindo, inteligente, tentou casar e não deu certo e eu fui o ombro amigo para ele chorar as mágoas, ele vive dizendo que voltará a morar aqui perto e então voltaremos a nos encontrar. Então ele falou-me que tem um amigo que trabalha aqui, ou seja, mora aqui em dias de semana e em outra capital nos finais de semana, onde, nesta outra cidade, é um sujeito casado, porém também são eles swingers (eu conheço uma pá de gente desse meio). Perguntou se eu estava afim de falar com ele e eu disse que se o cara quisesse, poderia dar o meu msn para ele, o que foi feito na hora, pois todos estavam on-line e comecei a conversar com o Blue. Resolvi abrir exceção à regra sobre não envolver-se com caras comprometidos visto que o casal é do meio liberal e que ela não mora na mesma cidade que eu, e então fui conhecê-lo. Ele é bonito, atraente, inteligente, bem-humorado, tem uma pegada gostosa e eu estou aprendendo a gostar de barba, ele usa e fica um charme (além de ser bonita e bem cuidada e blá-blá-blá e vai por terra mais um conceito meu).

Apesar de tudo estar dando certo, deve ter alguma uruca em cima de mim… Devido às nossas “agendas”, o melhor dia para vermo-nos com tranqüilidade é a segunda-feira, no entanto a bruxa anda solta: numa segunda o voo atrasou e ele chegou aqui somente a noite, na outra foi infelizmente marcada uma reunião, na outra eu estava “naqueles” dias e tive contratempos com minha filha e nesta semana ele foi enviado a outra cidade, logo não veio para cá. Isso é tão desanimador que às vezes penso em desistir do Blue e continuar procurando alguém que seja mais disponível.

Uma das coisas que eu e Blue fazemos bastante via msn é ficar trocando músicas no Youtube. Ando fuçando tanto este site para encontrar músicas que gosto, que acabo encontrando outras que eu não conhecia ou não lembrava existirem. Uma das quais estou no momento apaixonada é esta do Oswaldo Montenegro:

Presente

Hoje reencontrei Peixe. Ele trouxe pra mim um presentinho, um perfuminho da Victoria Secrets que, no caso, não pude trazer pra casa porque não teria como explicar pra família onde comprei. Nem sei onde vende aqui, sei que tem na net, mas eu não faço compras pela internet (pessoa antiga né?). Então ganhei outra coisa, um gloss, também da Victoria Secrets (delicioso, diga-se), e este eu posso guardar na bolsa, por ser pequeno é mais fácil ocultar a “prova do crime”.

Pedido de Casamento

Cinco semanas após Pp dar-me o famoso pé-na-bunda eu posso dizer que estou recuperada. O remédio a base de caldo-de-peixe tem sido muito bom, ele é agora o meu novo foco. Pp hoje é uma pessoa com quem converso normalmente no msn e embora tenha fico tentada, logo no início que voltei a falar com ele, a encontrá-lo novamente, não fui por achar isso um tanto quanto estranho. Acabou? Então acabou e para mim é assim que funciona.

Mas, oras oras, ontem fui terrivelmente surpreendida pela investida que o Pp fez. Sem mais delongas, sem lero-lero, via msn, fez-me a proposta de ir morar com ele, como um casal, prometendo inclusive sustentar-me, apesar que, por ele ter renda inferior ao de meu marido, meu padrão de vida cairia um pouco. E ele falou sério. Na hora fiquei tão chocada que colei a conversa para um amigo ler, e ele confirmou, “sim, ele realmente está falando sério”, disse-me o amigo. A webcam estava ligada, ele estava sério. Enfim. Eu nem sei o que dizer disso tudo, senti-me a cereja do martini, mas o que passou, passou. Não sou do tipo de pessoa que termina e volta, até porque neste momento eu tenho outra pessoa em foco. E mesmo que não tivesse, ninguém vai morar junto assim, do nada, sem mais nem menos, sem conhecer melhor a outra pessoa. Quanto mais eu, extremamente emotiva, louca, alucinada, daquelas que apaixonam quatro pneus e estepe; porém lúcida, organizada, racional e com um senso prático formidável. E ir “morar junto, casar, amaziar, juntar os trapos, as escovas, os panos-de-bunda” sem nenhum planejamento, com certeza não é coisa que resultará em algo positivo. Não há empolgação que resista aos fatos do dia-a-dia e nesse passo as coisas logo começam a dar zebra.

Rá-rá-rá. Será que ele estava com febre?

PS: Não abro mão de num próximo pedido de casamento, que o cara ajoelhe-se diante de mim, apresente-me um baita anel de diamantes e então faça uma declaração apaixonada, dizendo-me o quanto sou especial, maravilhosa e blá-blá-blá eu te amo. Hahahahahahaha. Obviamente que isso deverá acontecer numa noite estreladíssima, eu estarei divinamente vestida e maquiada e ele elegantíssimo em um terno Ermenegildo Zegna ou similar.

Eu, Cinderela??

Eu, Cinderela??

Peixe na Rede

Dizem por aí que a web é uma rede. Pois bem, dizem e é. Mas agora acabei de confirmar, é rede e tem peixe. E não estou falando de lambari, estou falando de peixe grande, tipo tubarão.

O moço é realmente grande, um santo remédio para uma pessoa que andava triste como eu, estou simplesmente a-do-ran-do o tratamento. Mas por enquanto não posso falar muito, nos vimos poucas vezes e na última rolou uns amassos deliciosos. Ele é muito educado, atencioso, cuidadoso, uma delícia de homem. E paciente. Amei!!!

Eu o conheci pela net no começo de maio, ou seja, antes do desfecho com Pp. Quando voltei da viagem que fiz calhou de conversar de novo com ele e novamente ele convidou-me para almoçar. Não almoçamos, mas tomamos um café no final do dia, uns dias depois. Fiquei muito bem impressionada com ele, pois educação, inteligência e bom humor são excelentes afrodisíacos. Óbvio que além disso ele também é fisicamente muito atraente.

Então é isso. Nova etapa.

Blá-Blá-Blá Eu Te Amo !! (???)

A vida é cheia de blá-blá-blá mesmo. Se as pessoas se contivessem a dizer o estritamente necessário talvez houvessem menos confusões por aí. E menos dores e decepções também. Ou seja, falamos demais e dizemos de menos. Essa é a história da humanidade e não precisamos ir longe, basta lermos jornais, revistas e livros que pretendem ser sérios (hahahahaha).

Mas o motivo do bl-á-blá-blá é o Pp. Eu sarei (rápida não é?). Mas o remédio eu citarei em outro tópico, porque este dará uma “caldeirada”. O motivo deste é mesmo Pp. Fiquei ausente da net, voltei a falar com ele aos poucos, ainda em processo de “cura”, mas tenho mantido-me realmente afastada das conexões virtuais por onde ele anda. Então estamos nos falando bem menos. Quase nada em vista de antes. E ele está sentindo falta. E eu estou rachando de rir. E ele pediu-me ajuda com o presente da namorada, eu ajudei, sem dores, numa boa mesmo. E ele continua dizendo que me adora e que eu sou o “amore” dele e blá-blá-blá. E no meio de tanto blá-blá-blá ele já disse, algumas vezes, que quer continuar encontrando-me, pelo menos uma vez por semana, que agora o “jogo está empatado”, já que eu tenho um marido, ele tem uma namorada (inocente esse moço). E que eu não devo sair com nenhum outro porque ele tem ciúmes (hahahahahahaha me faz rir!!). E novamente foi um monte de blá-blá-blá e eu fico pensando “ok, eu sou tudo isso sim, sou ótima nisso, naquilo e naquele outro também mas, sinceramente, não estou afim.” No entanto estou levando-o em banho-maria por uns dias, até o meu “remédio” fazer total efeito.

Acho tudo isso muito típico. O cara termina mas quer continuar pegando. Eu até não me importaria tanto com isso, afinal eu tenho meus perrengues e meus impedimentos mas acho isso tão estranho e ridículo que fico completamente desmotivada. Agora só falta eu falar “Não. Não te quero mais, estou em outra situação” e ele retrucar “Blá-blá-blá eu te amo!”.

Era Vidro e Se Quebrou

Estou há dias afastada da internet e de todo o mundinho virtual. Veio bem a calhar a minha impossibilidade de estar na rede com a necessidade de não estar. Meu quase romance com Pp estava indo bem, ao menos para mim, dentro das minhas possibilidades. Ele já havia comentado que queria uma namorada, alguém que pudesse estar disponível nos horários dele. Então ele começou a trabalhar em outro local, conheceu alguém e já era eu e ele. Fiquei mal, eu gostava demais da companhia dele, das nossas risadas e idiotices, entre outras coisas.

Mas a vida é assim. Mutante. Então esses dias em que me encontro distante do virtual possui também um esforço pessoal para não estar na rede, assim evito vê-lo por aqui. Eu não quero saber como ele está, o que está acontecendo na vida dele e nem quero saber se ele está feliz ou não. Também não quero que ele saiba de mim e quero perder a necessidade de falar com ele, como fizemos nos últimos três meses, falando-nos diariamente pela rede por horas e horas. Quero que ele morra para meus sentimentos, que volte a ser o que era há três meses atrás: nada.

Mas também é inevitável não espiar a nova vida dele, e dessa forma acabei entrando em sua página, vi um recado daquela que imagino ser a minha algoz e passei mal pra Cacilda. Minha pressão caiu bruscamente e eu tive que sair do computador e ir deitar-me. Hoje já é o dia seguinte e não estou totalmente recuperada do choque. Por outro lado usei minhas pequenas doses de sarcasmo e veneno para escrever diletos poemas e assim acabei divertindo-me um pouco.

Onde me encontro hoje não é um bom lugar, fisicamente falando, emocionalmente falando, e isso nada tem a ver com o Pp e os acontecimentos da semana. Aqui é um fim-de-mundo e apenas encontro, em cada esquina, problemas. Eu deveria ajudar essas pessoas, elas são caras para mim, mas não sei se conseguirei. Estou aqui para tentar isso. Mas não deixo de pensar em Pp e de sentir sua falta. Queria muito voltar ao meu lugar e encontrá-lo esperando por mim, e isso não acontecerá. Estou um tanto desolada por essas coisas todas e preciso transformar isso em combustível para seguir em frente com meus planos.

É isso. Registrando esse momento chato e colocando um ponto final na historinha Ali + Pp.

31/mai/09